Seus Contos Eróticos » Fetiches » Sadomasoquismo e primeira inversão sexual

Sadomasoquismo e primeira inversão sexual

Publicado em março 22, 2021 por store

Eu e Mateus somos amigos de infância e sempre fomos muito próximos e durante nossa juventude as coisas foram ficando mais intensas entre nós dois. Eu o considero um pau amigo, pois sempre que estou com vontade de transar eu o chamo e vice-versa.

Na transição da minha adolescência para a vida adulta, fui explorando cada vez mais o sexo e foram surgindo alguns fetiches. Comecei a ficar curiosa com algumas coisas que lia e via, mas nunca cheguei a comentar nada com ele ou com qualquer outro ficante meu.

Certo dia, pela manhã, criei coragem, fui num sex shop na cidade vizinha, comprei velas, um consolo de silicone e duas cordas. Deixei bem guardada em meu quarto esperando o momento oportuno de utilizar.

Mateus me ligou no fim da tarde, dizendo que estava na praça perto de casa. Fui até lá conversar com ele, coloquei um vestidinho curto, florido e bem soltinho. Conversamos por um tempo, até que resolvi contar pra ele o que eu tinha feito.

Falei sobre o sex shop, senti que ele ficou curioso pra saber o que comprei, então chamei o Mateus pra ir lá em casa ver. Fomos ao meu quarto, tiramos as roupas e começamos a nos beijar bem gostoso. Quando ele deitou na cama, peguei as cordas, amarrei seus pulsos na cama, afastei suas pernas, amarrei as duas também e o vendei com um lenço.

Comecei a chupar o safado, seu pau não é tão grande, porém é bem grosso, com a cabeça rosada e sempre bem depiladinho. Não sei se foi pelo momento, mas ele estava mais duro que o de costume. Eu chupava intensamente, engasgava e minha baba escorria por todo seu pau até as bolas.

Eu ia alisando e mamando, pagando o melhor boquete da vida dele. Chupei alguns minutos e sentia latejando em minha boca, sua respiração estava bem ofegante e eu o mandando se controlar, pois minha irmã estava em casa e poderia ouvir.

Peguei uma vela na cabeceira ao lado da cama e comecei a pingar em seu corpo. Ele se remexia na cama de dor e tesão ao mesmo tempo, enquanto eu deixando seu corpo todo marcado com a cera das velas. Mateus fechava a boca e apertava para não gemer alto, com seu corpo se contorcendo na minha frente e eu alucinada com aquilo.

Era meu momento, eu poderia fazer o que quisesse com aquele homem gostoso. Afrouxei as cordas e o mandei dobrar os joelhos. Tirei a venda dos seus olhos, ele arfou de tesão e observou as marcas pelo seu peitoral e barriga.

– Agora você vai me obedecer e deixar isso aqui todo babadinho para entrar dentro de você.

Comecei a passar o consolo pelo seu corpo, pelo peitoral, na sequência pelo seu pescoço, em seu rosto, até chegar em sua boca. Pedi que abrisse e ele se negou. Dei um tapa em sua cara pra ele saber quem estava no comando e ele obedeceu. Aos poucos fui introduzindo o consolo em sua boca, ele com os olhos fechados e chupando até eu ver quase toda extensão dele babada.

Mateus pediu que eu fosse com calma, pois nunca havia feito algo parecido antes. Dei-lhe outro tapa e o xinguei de putinho, pra ele ficar calado. Ele gostou ainda mais daquilo e me xingou de puta, o que acendeu um fogo a mais dentro de mim. Seus gemidos estavam descontrolados, então resolvi amarrar o lenço em sua boca.

Abri um pouco mais suas pernas, vi seu cuzinho um pouco peludo e virgem, que naquele momento estava piscando de tesão. Encaixei o consolo aos poucos, depois de dar uma boa lubrificada.

Vi quando ele fechou os olhos e tentou relaxar o corpo, com sua respiração ainda muito ofegante. Eu comecei a empurrar aos poucos, vendo cada centímetro daquele consolo sumir dentro dele. O Mateus se contorcia de tesão e eu coloquei até o final, arrancando um gemido abafado pelo lenço que eu tinha colocado pra tampar sua boca.

Comecei a fazer movimentos pra dentro e pra fora, aumentando cada vez mais a intensidade. Com uma mão ia enfiando e com a outra comecei a masturbar seu pau, que estava duro feito pedra e bem inchado. Aumentei o ritmo da punheta conforme ia aumentando as estocadas e logo vi o seu pau soltando vários jatos de porra e deixando minha mão toda lambuzada.

Depois disso, tirei o consolo do cuzinho dele e fiz o safado abocanhar o consolo e chupar bem gostoso. Após isso, mandei ele chupar minha buceta, ele se deliciou enfiando a língua e obedecendo a todos os meus comandos.

Foi uma experiência bem gostosa, o safado logo me fez gozar e passei a ficar viciada em imersão, fazendo sempre que dá vontade.

1.215 views views

Contos relacionados

Fui voyeur com o amigo do meu irmão

Descobri que adoro ser voyeur Eu tenho 21 anos, mas desde cedo sempre curti ver outras pessoas transando. Eu sou uma mulher loira, olhos castanhos, baixinha, porém, com coxas grossas, bunda...

LER CONTO

Não consegui segurar o tesão

Meu nome é Renata, tenho 35 anos e não sei se é normal, mas me masturbo todos os dias, adoro ver pornô, fico excitada de me molhar muito facilmente. Eu tenho 1,70 de altura, peso 76 quilos, coxas...

LER CONTO

Aprendendo a ser submissa

Virei submissa e não quero outra vida Meu nome é Ana, tenho 37 anos e estou escrevendo um conto erótico pela primeira vez. Há algum tempo, comecei a ler 50 Tons de cinza e também vi o filme....

LER CONTO

Foda com o cara do Tinder

Vou contar sobre o primeiro encontro com um cara do Tinder. Tudo era novidade pra mim, estava recém separada de um casamento e parecia engatinhar pela primeira vez. Eu estava ansiosa para encontrar...

LER CONTO

0 - Comentário(s)

Este Conto ainda não recebeu comentários

Deixe seu comentário

2000 caracteres restantes

Responda: 1 + 2 = ?
Desfrute do maior acervo de contos eróticos verídicos da internet e o melhor que o nosso conteúdo é 100% grátis.
© 2021 - Seus Contos Eróticos