Seus Contos Eróticos » Relatos » O motorista de uber gostoso

O motorista de uber gostoso

Publicado em março 10, 2021 por store

Era noite de aniversário de um amigo do trabalho, que estava comemorando num salão de festas aqui na cidade onde a gente vive. Eu não sou muito de sair, mas aquela seria a oportunidade perfeita, pois eu estava brigada com o meu namorado e resolvemos dar um tempo.

Comecei a sair mais com os amigos do trabalho, barzinho, balada e uma social na casa de alguns, etc. Beijei outros rapazes nas vezes em que saí, até porque estava solteira, então iria me preservar dessas coisas.

Apenas sexo que ainda não tinha acontecido com outro homem, mas algumas situações me excitavam e no final da noite antes de ir para o banho, comecei a me tocar pensando em cada uma delas.

No dia da festa eu estava um provocativa usando um vestido branco bem justo, na altura das coxas, sem sutiã, apenas com uma calcinha por baixo. Estava me divertindo com o pessoal, bebendo, dançando, estava tudo ótimo, mas no decorrer da noite alguns convidados começavam a se dispensar.

Eram 03:00 da manhã quando resolvi chamar um Uber para me levar até em casa. Eu estava um pouco alterada por conta das bebidas, mas ainda conseguia associar as coisas. Me despedi dos amigos e fiquei na espera. Não demorou muito até chegar.

Já sabia o nome do rapaz pelo aplicativo, mas resolvi perguntar mesmo assim. Ele disse que se chamava David, tinha aproximadamente uns 25 anos, branco, um pouco alto, magro e aparentava ser tímido.

Eu percebia que ele me olhava pelo retrovisor, as vezes esboçava um sorriso simpático quando estávamos conversando. A gente falou sobre tudo e logo senti um forte interesse por ele.

Chegamos ao meu endereço, paguei a viagem e apesar de ter ficado nervosa, resolvi convidar o rapaz para entrar e tomar uma cerveja comigo e para minha surpresa, ele disse que gostaria de um copo com água. Entrando em casa, ele se acomodou na sala, servi a água para ele e ficamos uns 15 minutos conversando, até que ele ficou mais comunicativo do que no carro.

O clima já estava bom, ele sabia da minha situação com meu namorado e se aproximou de mim para me dar um beijo gostoso. O corpo dele começou a pressionar o meu e nossos amassos ficaram cada vez mais intensos, até que ele foi me despindo e eu fiz o mesmo por ele.

Ele começou a beijar meu pescoço e me deixou toda arrepiada. A essa altura minhas unhas estavam cravadas em suas costas. Ele deslizou meu vestido mais pra baixo, apertou meus seios nus e senti sua língua passando pelos meus peitos e chupando de leve meus mamilos.

Ele tirou o resto do meu vestido, eu me ajeitei no sofá em uma posição em que ele se encaixou no meio das minhas pernas, alisando minhas coxas enquanto beijava minha barriga e ia descendo cada vez mais seus lábios.

Minha respiração ficou mais ofegante e soltei um gemido baixinho quando senti seus lábios tocando minha buceta. Ele afastou os lábios com os dedos e massageou a entradinha dela com sua língua, que já estava um pouco babada, enquanto ele sugava o melzinho que ia saindo.

Ele me chupou por alguns minutos e pediu pra eu chupar o pau dele até ficar babado e ele me comer. Ele sentou no sofá, eu levantei, fiquei de joelhos no tapete bem no meio de suas pernas.

Rapidamente desabotoeu e desci o zíper de sua calça, ele me ajudou a tirá-la junto com sua cueca e vi seu pau saltar pra fora, completamente duro. Estava latejando de tesão, a cabeça bem arregaçada a mostra, bem rosada e grossa. Os pelos aparados e seu saco inchado. O seu pau devia medir uns 18 centímetros.

Aproximei minha boca do seu pau e passei por cima da cabeça, lambendo a baba que ia saindo dele. David fechou os olhos e curvou a cabeça pra cima, afastando meus cabelos para o lado e acariciando minha cabeça. Deslizei minha língua pela lateral do seu pau até chegar em suas bolas.

O pau dele bateu na minha garganta, mas eu fiquei chupando seu parar. Me deu uma vontade louca de engolir cada centímetro dessa pica. A grossura do seu pau preenchia minha boca, eu chupava cada vez mais, me deliciava com seu cacete enquanto alisava suas bolas, até que ele pediu para eu parar antes que ele gozasse.

Ainda no tapete, fiquei de quatro esperando por ele. David se curvou atrás de mim e chupou minha buceta pra deixá-la mais melada ainda. Ele posicionou-se atrás de mim e foi empurrando de leve. Assim que senti a cabeça deslizar pra dentro, soltei um gemido abafado. Era uma mistura de dor e tesão e eu não queria que ele parasse.

Ele entendeu o recado e foi colocando cada centímetro dentro da minha buceta molhada. Ele cravou todo o seu cacete dentro e foi tirando aos poucos, deixando até a cabeça e me fazendo implorar pra ele colocar tudo de novo, dessa vez, dando estocadas mais fortes.

Eu gemia com mais intensidade, sempre pedindo mais e David obedecia, estocando com mais força e segurando na minha cintura enquanto metia mais rápido, me chamando de gostosa, safada, tesuda…

Depois de alguns minutos ele pediu pra eu sentar no seu pau, deitou no sofá e pude ver que seu cacete aparentava estar mais grosso. Encaixei a cabeça e quando senti que ela deslizou pra dentro, sentei de uma vez só. Fiquei olhando pra ele, com as mãos apoiadas em seu peitoral e ele apertando meus seios, me olhando com a boca entreaberta enquanto eu comandava meus movimentos.

Fiquei cavalgando, pulando e rebolando no seu pau. Ele me dizia que iria gozar dentro se eu não parasse de rebolar daquele jeito. Não aguentava mais de tesão, até que acelerei o ritmo da cavalgada e comecei a gozar em cima do seu pau. David ficou em êxtase quando sentiu meu melzinho escorrer pela lateral do seu pau e voltou a socar com mais força.

Senti seu pau inchando e ele dizendo que iria gozar, mas nem conseguiu terminar de dizer a frase e já esporrou bem gostoso dentro de mim. Mesmo gozando, ele não parou de estocar até a última gota, alisando meus seios e beliscando de leve o biquinho que ainda estava bem rígido.

Saí de cima do seu colo e seu pau estava tão duro, não como antes, mas continuava um pouco rígido e melado. Eu caí em cima do seu corpo, nos beijamos e ficamos ali ofegantes por alguns minutos até que fomos tomar banho.

Depois daquele dia, eu e David sempre combinávamos de transar todos os finais de semana. O meu relacionamento já havia acabado, o que me deixava ainda mais fogosa por David.

1.249 views views

Contos relacionados

Fodendo no interior de São Paulo

Fodendo com a gostosa depois da festa de Rodeio Há alguns anos atrás, morava no interior de SP, região próxima a Rio Preto, e trabalhava pela região. Fui em uma festa do peão e lá...

LER CONTO

O dia que comi minha prima do cuzão

Pauzudo transando com prima rabuda na cama Olá, vou contar um curto relato sobre um jovem sortudo que teve o privilégio de transar com sua prima novinha da bunda grande. Sobretudo essa putinha...

LER CONTO

Encontrando a foda certa

Encontrei a foda certa e minha vida sexual mudou Bom, esse é meu primeiro relato de como minha vida sexual mudou! Eu me chamo Luiza, resolvi frequentar uma academia. No primeiro dia de aula um...

LER CONTO

Necessitada de sexo

Fiquei louca querendo sexo Essa história era de quando eu tinha vinte anos, e tinha uma filha linda de seis meses. Sempre fui mãe solteira, não que o pai dela não fosse presente, mas assim...

LER CONTO

0 - Comentário(s)

Este Conto ainda não recebeu comentários

Deixe seu comentário

2000 caracteres restantes

Responda: 1 + 4 = ?
Desfrute do maior acervo de contos eróticos verídicos da internet e o melhor que o nosso conteúdo é 100% grátis.
© 2021 - Seus Contos Eróticos